segunda-feira, 19 de junho de 2017

Associação de Cabos e Soldados dirão em coletiva que exclusão de militares é ato ditatorial do governo de Pernambuco


A Associação Pernambucana dos Cabos e Soldados (ACS-PE) realizará nesta segunda-feira, às 11h, entrevista coletiva para tratar do que define como “ato ditatorial do Governo de Pernambuco”, a exclusão do presidente e vice da entidade, Albérisson Carlos da Silva e Nadelson Leite Costa dos quadros da Polícia Militar de Pernambuco (PMPE). Segundo informe da entidade, os advogados Eduardo Morais, François Cabral e Jethro Silva Júnior estarão presentes na sede da entidade, na Rua Carlos Gomes, 70, Madalena, Recife, para explicar em que consiste a arbitrariedade da decisão. Também está em processo de exclusão o sargento Glaudstony Wanderley Galvão.

A exclusão de Albérisson Carlos e Nadelson Leite é atribuída à conclusão pela Corregedoria Geral da SDS dos processos administrativos disciplinares (PADs) e foram oficializadas por portarias assinadas na sexta-feira pelo secretário de Defesa Social, Ângelo Gioia.

Segundo a Corregedoria, os líderes da ACS teriam infringido normas do Código Penal Militar na condução da Operação Padrão da PM, iniciada em dezembro de 2016. Expresso no Decreto-Lei 1.001/1969, o Código Penal Militar foi editado em plena ditadura militar e proíbe a greve por parte das forças de segurança, ratificada pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

Em nota distribuída no sábado, a ACS-PE informou não ter havido surpresa com a decisão do secretário de Defesa Social, alegando haver várias nulidades por privação do direito à ampla defesa, afora o que definiram como “arbitrariedade” durante a campanha salarial. 

Fonte: Carlos Britto

Coronel Notícias Policiais

Nenhum comentário:

Postar um comentário